Onda gourmet: interesse do brasileiro por produtos premium dispara mesmo na crise

A oferta de linhas diferenciadas atrai quase 90% dos consumidores em busca de sabor e qualidade, aponta pesquisa

A ida ao supermercado já não é mais a mesma, a experiência está cada vez mais interessante e atrativa para quem busca fugir do convencional. As categorias premium e gourmet ganharam espaço nas prateleiras e, atualmente, oferecem uma variedade de produtos importados, sessões temáticas, centenas de novos rótulos de vinhos e cervejas artesanais, produtos seletos e pouco processados que ganham cada vez mais destaque e chamam a atenção dos consumidores.

Mesmo diante da crise econômica que o país enfrenta nos últimos anos, essa tendência de consumo continua crescendo e é considerada sinônimo de qualidade, sabor e sofisticação por aqueles que, apesar dos preços mais elevados, não abrem mão dessas características mesmo com o orçamento mais apertado. A conclusão é com base nos dados um estudo exclusivo, realizado pela Banca do Ramon, um dos empórios mais tradicionais do Mercado Municipal de São Paulo, que ouviu 1.360 consumidores a fim de obter uma perspectiva da relação dos brasileiros com a alimentação e seus hábitos de consumo.
Sobre o estudo

O processo de "gourmetização" ganhou força total na última década e vem conquistando cada vez mais novos adeptos. A pesquisa “Do essencial ao Gourmet – O que os brasileiros pensam sobre alimentação saudável e produtos premium”, revela que quase 90% dos entrevistados se interessam pelas linhas dessa categoria, e o motivo é claro: a qualidade superior desses produtos e o sabor mais apurado são os fatores que fisgam os brasileiros. Porém, a sofisticação também tem peso na escolha por produtos premium. Apenas uma minoria alega não ter interesse (13%) por esse tipo de produto, principalmente pelo valor elevado dos mesmos.



A principal referência desses indivíduos na hora de procurar por tais itens são empórios (52%) e supermercados (31%). O mais citado, aliás, é o Mercado Municipal de SP (76%), seguido, de longe, pelo Mercado Municipal do Rio de Janeiro e pelo Mercado Central de BH (6,6%). Para os entrevistados, esses lugares se destacam, principalmente, pela variedade dos produtos regionais e importados (62,5%) e pela qualidade dos produtos comercializados (25,7%). Dentre os alimentos que esses consumidores não abrem mão, mesmo quando o orçamento está apertado, está o azeite, apontado por mais de 57% dos participantes, e o queijo aparece logo em seguida.
Mercado aquecido

Impulsionada por programas e realities shows culinários que viraram febre nos últimos anos, a gastronomia nunca esteve tão em evidência. Segundo o estudo, esse segmento televisivo exerce tamanha influência sobre os consumidores que quase dois terços dos participantes afirmam já ter tentado reproduzir alguma receita em casa ou, até mesmo, ter ido atrás de algum ingrediente exótico mostrado no programa. Fato que leva o foco dos consumidores novamente às categorias premium e gourmet.

Mesmo em tempos de crise, com o orçamento enxugado, as linhas de produtos diferenciados têm se mantido em destaque. A internet e o mercado globalizado também são grandes contribuintes desse sucesso, afinal, o consumidor agora tem fácil alcance a diversas receitas e preparações, além de produtos e iguarias de outras regiões ou, até mesmo, de fora do país. Essa facilidade de acesso e a influência midiática favorecem o seguimento, que avança a passos largos.

Com a culinária em pauta, é possível notar uma mudança cultural, na qual os alimentos e refeições, além de nutrir, também assumem o papel de divertir e entreter. Mais do que a utilidade do item em si, as pessoas estão buscando também as experiências e sensações que ele pode oferecer e o resultado disso é o crescente número de produtos e serviços que se denominam premium ou, no ramo alimentício, gourmet.



Saúde na mesa

Para a nutricionista Juliana Tomandl, consultora da Banca do Ramon, essa tendência de consumo atual pode ser encarada com bons olhos diante do ponto de vista nutricional. Isso porque, segundo a especialista, os consumidores estão mais conscientes do que colocam no prato e, por isso, selecionam melhor os produtos adquiridos: “Há uma valorização maior do ingrediente atualmente e vários fatores contribuem para isso, tanto os programas culinários na TV, que incentivam o preparo caseiro, quanto o surgimento de linhas inovadoras, que tem como diferencial produtos seletos, com menos aditivos químicos e mais naturais. Além disso, hoje em dia, o processo artesanal está ganhando espaço também e vem conquistando um lugar que antes estava ocupado apenas pelo produto industrializado”.

De acordo com o levantamento os consumidores estão prezando pela qualidade em detrimento do preço e, quando se trata de itens gourmet, esses indivíduos estão mais inclinados a experimentar produtos que atendam esse requisito e tenham sabor mais acentuado (44%). Além disso, com a ida a restaurantes comprometida pelos percalços econômicos, muitas pessoas passaram a se arriscar mais na cozinha, e 60% dos entrevistados que consumiram produtos premium e gourmet o fizeram para usar em alguma receita. Apenas uma parcela de quase 16% alega ter experimentado algum alimento gourmet durante uma viagem, num restaurante ou churrascaria

Para Tomandl esse é um habito que, além de economia, pode gerar mais saúde para os brasileiros: “Numa época em que a cada esquina vemos um novo fast-food e que o setor de comidas prontas e congeladas faz sucesso no supermercado entre aqueles que vivem na correria, é de se comemorar qualquer incentivo à comida de verdade, feita com ingredientes naturais ou minimamente processados, com boa procedência e qualidade. As pessoas estão colocando a mão na massa na hora de preparar aquela receita especial para a família e, por isso, querem usar os melhores ingredientes, substituem os temperos prontos por ervas, os produtos em conserva por ingredientes frescos e ainda priorizam as gorduras boas. Tudo isso tende a fazer muito bem ao organismo” – explica a nutricionista.
Entenda os conceitos

Para se encaixar em uma dessas denominações é necessário cumprir alguns requisitos. De olho nesse filão, muitas marcas trabalham aspectos visuais e usam estratégias de marketing e comunicação para chamar a atenção do consumidor, mas, na prática, o artigo não é exatamente como o divulgado. Por isso é importante entender o conceito do que se pretende adquirir para ter segurança na hora da compra e garantir a qualidade.

Premium: algumas características devem ser levadas em consideração para que um produto receba essa classificação, entre as principais estão aspectos como a tradição da marca, a raridade do item ou matéria prima e a experiência que ele pode proporcionar ao consumidor. Além disso, outros fatores também possuem relevância, como a durabilidade, qualidade superior e design. Os produtos e serviços com esses diferenciais de inovação são considerados de “linha premium” e, por isso, possuem um preço maior.

Gourmet: voltado para a alimentação, o termo se refere à elaboração de pratos da culinária que possuem elementos diferentes do produto tradicional, como novos componentes e apresentações. Dessa forma os alimentos básicos são transformados com ingredientes diferenciados ou, até mesmo, com processos artesanais e novas formas de preparo, agregando mais valor ao produto.